Últimas

Suzano inaugura fábrica em Cachoeiro de Itapemirim


A empresa de papel e celulose, Suzano, inaugurou nesta segunda-feira (22), a Unidade de Cachoeiro de Itapemirim, no sul do Estado. Essa é a 11ª fábrica e a primeira a produzir papel higiênico de folha tripla, novidade que chegou há pouco ao mercado brasileiro e que conta com folhas de alta absorção. A solenidade de inauguração foi virtual, em razão das restrições por causa da pandemia do novo coronavírus.

A equipe da Unidade Cachoeiro já conta com 80 profissionais, a maioria recrutada na região. Ao longo do ano, outros profissionais serão contratados. A empresa informou que entre seus compromissos públicos, alinhados às metas de longo prazo e aos seus valores organizacionais, está o de ter 30% de mulheres e 30% de negros em cargos de liderança até 2025.

Na seleção de profissionais para a nova unidade, a empresa já vislumbrou essa meta: entre os contratados, 34% são mulheres e 33% são negros que terão chances de ascender a cargos de liderança ao longo da carreira.

Além dos empregos próprios, a Suzano movimenta uma cadeia de negócios que representa oportunidade para empresas da região que atuam em atividades como fornecimento de alimentação, transporte, segurança, higiene e limpeza, entre outros serviços. São quatro empresas parceiras atuando diretamente em atividades de rotina, além de outras que atuam no fornecimento de transporte de insumos e materiais na região de Cachoeiro de Itapemirim.


Com a inauguração da Unidade Cachoeiro de Itapemirim, a Suzano amplia sua presença no Espírito Santo, onde já conta com uma Unidade de Produção de Celulose, em Aracruz, que opera há mais de 50 anos e também fomenta a mão de obra e a parceria com fornecedores locais. A Suzano também é acionista majoritária do Portocel, porto localizado próximo à fábrica de celulose, em Aracruz, e um dos mais eficientes do mundo na movimentação de celulose.

Com a empresa em Cachoeiro, o Espírito Santo ingressa no grupo de estados que produzem bens de consumo com a marca Suzano, que é referência global em bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto. A construção da unidade, com capacidade para produzir 30 mil toneladas/ano de papéis higiênicos (o que equivale a 15 mil fardos/dia e a 1 milhão de rolos/dia), envolveu recursos de R$ 130 milhões e é parte de um pacote de investimentos que é fruto de créditos do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

A produção da nova unidade vai abastecer os estados da região Sudeste do Brasil. A logística de abastecimento inclui o Centro de Distribuição (CD) da empresa localizado em Viana, de onde os papéis da marca Suzano (sanitários, de imprimir e escrever) são distribuídos para o Espírito Santo e outras regiões. Com área de 8 km2, o CD recebe materiais principalmente da Unidade Mucuri (BA) e de Cachoeiro de Itapemirim.

“Esta unidade é um marco na história da Suzano e da região de Cachoeiro de Itapemirim. A capacidade máxima de produção, prevista para ser alcançada até o final de 2021, já deve se tornar realidade ainda no primeiro semestre”, destaca Vander Rios, gerente industrial da nova fábrica.

Rios explica que a produção foi iniciada no mês de fevereiro e o desempenho das linhas industriais segue a pleno vapor, atribuindo o bom desempenho a uma série de fatores, incluindo o nível de automatização dos equipamentos e a estratégia de seleção e treinamento de colaboradores adotada pela empresa, o que resultou em uma equipe altamente capacitada.

Os selecionados passaram por treinamento no Senai de Cachoeiro de Itapemirim, em um curso sob medida para atender as necessidades da empresa, e na Unidade Mucuri, no sul da Bahia, onde a Suzano já produz papéis higiênicos, além de celulose. É de lá que vem a matéria-prima que abastece a nova unidade.

Estão saindo das duas linhas de produção da nova unidade os papéis das marcas Mimmo (folha tripla e folha dupla) e Max Pure (folha dupla). O Mimmo folha dupla – agora produzido também em Cachoeiro de Itapemirim – já é conhecido dos capixabas: foi apontado pela Nielsen como líder de mercado em folha dupla no varejo do Espírito Santo, com 28% de market share (fração de mercado) em 2020.

O Mimmo é um papel macio, mais absorvente e resistente, desenvolvido a partir de uma pesquisa de mercado em que foram avaliados os hábitos e expectativas dos consumidores em relação ao produto papel higiênico. A marca, presente desde 2018 nas principais redes varejistas capixabas, posiciona-se como uma alternativa que rende mais porque usa-se muito menos.

Sobre a Suzano

A Suzano, empresa resultante da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, tem o compromisso de ser referência global no uso sustentável de recursos naturais. Líder mundial na fabricação de celulose de eucalipto e uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina, a companhia exporta para mais de 80 países e, a partir de seus produtos, está presente na vida de mais de 2 bilhões de pessoas.

Com operações de dez fábricas, além da joint operation Veracel, possui capacidade instalada de 10,9 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano. A Suzano tem mais de 35 mil colaboradores diretos e indiretos e investe há mais de 90 anos em soluções inovadoras a partir do plantio de eucalipto, as quais permitam a substituição de matérias-primas de origem fóssil por fontes de origem renovável. A companhia possui os mais elevados níveis de Governança Corporativa da B3, no Brasil, e da New York Stock Exchange (NYSE), nos Estados Unidos, mercados onde suas ações são negociadas.


Folha Vitória