Últimas

Emoção: Paciente é levado a pátio de hospital e revê família após 36 dias na UTI

Um paciente que estava há 36 dias sem ter contato com a luz do sol ao ficar internado em um quarto de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) reencontrou a família no pátio do Hospital Regional de Biguaçu, na Grande Florianópolis. Ele foi diagnosticado com Covid-19 e precisou passar por três intubações e uma traqueostomia. Ainda sem falar e sem previsão de alta, na sexta-feira (17) não faltaram gestos de carinho para mostrar a emoção de poder estar próximo da mulher e de uma das filhas.

"A medida que eu passava a mão na cabeça dele, ia fazendo carinho, ele respirava fundo. A gente queria chorar naquele momento", disse a mulher, Marinês Alves de Souza Ferreira.
Daniel recebeu a visita da mulher e da filha na área externa do hospital — Foto: Mariana Hoffmann Correia/ Hospital Regional de Biguaçu


O encontro breve, de 30 minutos, foi marcante, segundo Marinês. Ela lembra de quando a equipe médica trouxe o marido na maca até a área externa do hospital.

"Ele ficava ficava assim muito admirado de ver o céu [...] Foi vital, porque uma coisa é você ver numa tela [celular] e ali a gente pôde tocar nele, no corpo dele. A medida que a gente toca, acredito que a gente transfere muito amor, é um negócio que não se explica", afirma.

A filha Emanoela de Souza Ferreira disse que apesar do pai não conseguir falar, ele fez sinais. "Ele tentava conversar e a gente tentou traduzir o que ele estava falando. Ele mexia as mãos, meio trêmula, mas mexia. Ele começou a fazer sinais, apontou pedindo para tirar fotos", disse.

Filha encontrou com pai o pai depois de semanas de internação por causa das complicações da Covid — Foto: Mariana Hoffmann Correia/ Hospital Regional de Biguaçu

Ainda sem previsão de receber alta, o Daniel Ferreira se recupera na unidade de saúde. Ele foi o primeiro a participar da iniciativa "Luz do Dia" da unidade de saúde. A proposta tem como objetivo aproximar a família de quem está internado.

Segundo a unidade de saúde, dependendo da situação, a família vai ter autorização para fazer uma visita no pátio do hospital.

A decisão para a liberação das visitas envolve uma equipe multidisciplinar da unidade de saúde. O período de 21 dias de transmissão do vírus deve ser respeitado. Antes disso, o paciente não deve ter contato com ninguém porque ainda pode transmitir o vírus. A pessoa também precisa ter apresentado uma melhora clínica. Por isso, a avaliação médica é fundamental.

Projeto 'Luz do Dia' no hospital na Grande Florianópolis — Foto: Mariana Hoffmann Correia/ Hospital Regional de Biguaçu

Após a visita da família, a enfermeira Joice Helena Petri Reitz disse que foi possível notar melhora no estado de saúde do paciente. "Chegando na UTI, avaliando, ele já é outro paciente mais alegre, mais feliz, mais participativo", disse.

"Isso realmente dá um incentivo muito grande pros pacientes, a parte psicológica desses pacientes que estão há tantos dias internados na UTI numa condição tão frágil faz toda a diferença", explica Bruno Siqueira Borda, que é médico intensivista e coordenador de UTI.
G1