Últimas

Privação do sono pode desencadear doenças graves


Para muitas pessoas, a ansiedade e o estresse podem refletir em maior irritabilidade, cansaço e dificuldade de concentração, entre outros malefícios.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o distúrbio do sono afeta 40% dos brasileiros e 45% da população mundial.

De acordo com Andreza Oliveira, psicóloga do Hospital Yutaka Takeda, gerenciado pela Pró-Saúde em Parauapebas (PA), “além de ser essencial para a vida, o sono é a base de muitas funções fisiológicas e psicológicas do organismo, tais como a reparação de tecidos, o crescimento, a consolidação da memória e a aprendizagem”.

A profissional também alertou que as preocupações desencadeadas pela pandemia da Covid-19 também são fatores de alteração da higiene do sono.

“Ficar em estado de privação do sono pode prejudicar e provocar o surgimento de outras doenças, como diabetes, hipertensão, distúrbios crônicos de memória e variações bruscas de humor”, apontou Andreza Oliveira.

A situação chama atenção para o aumento do consumo de remédios hipnóticos, usados para induzir e/ou manter o sono.

“O uso contínuo desses medicamentos e sem orientação profissional pode trazer prejuízos ao paciente, com sérios riscos efeitos à saúde”, alertou a psicóloga.

Sinais de que a qualidade do sono não está boa

Os primeiros sinais de um sono pouco reparador são:

• Demorar mais de 30 minutos para conseguir dormir;

• Acordar durante a noite e ter dificuldade em dormir novamente;

• Acordar com sensação de cansaço ou de que não dormiu o suficiente.

Pessoas que dormem mal, normalmente também apresentam alguns sintomas durante o dia, como falta de energia, irritabilidade, falta de memória e concentração, além da sonolência.

Dicas para manter a qualidade do sono

1. Dormir de 7 a 8 horas é o ideal para um sono reparador, levando a uma boa disposição durante o dia.

2. Dê preferência a uma dieta balanceada, com alimentos leves, de fácil digestão, no período da noite.

3. Durma no escuro. Abajur ou TV ligada atrapalham na hora de dormir, pois a luminosidade e o barulho dos aparelhos oferecem estímulos que atrapalham o início, a qualidade e a duração do sono. O mesmo vale para o hábito de ficar no celular já na cama, antes de dormir.

4. Use roupas confortáveis para dormir, com tecidos leves e mais frescos, de preferência de cores claras, já que absorvem menos o calor.

5. Café, alimentos com cafeína ou que possam estimular o sistema nervoso devem ser evitados de 4 a 6 horas antes de dormir, pois levam o organismo a um estado de alerta e atrasa a sonolência.

6. Mantenha uma rotina de sono e vá para a cama na mesma hora todas as noites, incluindo fins de semana.

Portal Santarém