Últimas

Ursos são salvos após viverem 17 anos presos em porão



Dois ursos-negros foram resgatados de uma ‘fazenda de bile’ no Vietnã após viverem por 17 anos em porões, finalmente receberam um novo lar em um santuário de ursos.

Os ursos asiáticos – um macho chamado Xuan e uma fêmea chamada Mo – viviam na escuridão total e só podiam ver a luz artificial quando passavam por dolorosos procedimentos de extração de bile, que era usada na medicina tradicional e em produtos de cosméticos.

Xuan era cruelmente mantido em uma pequena gaiola no porão de uma loja de roupas em Son La no norte do Vietnã, desde 2004, quando era apenas um filhote. Não se sabe ao certo quanto tempo Mo ficou com ele, mas acredita-se que ela tenha vivido lá por muitos anos.

Agora os animais maltratados começaram uma nova vida no Santuário de Ursos de Ninh Binh depois que foram resgatados das adegas úmidas em março pela instituição de caridade animal Four Paws, que afirma que as condições de vida dos animais eram as piores que já haviam visto.

Imagens e vídeos comoventes mostram os dois ursos-negros, que ainda estão com a saúde debilitada devido ao seu passado traumático trancados em gaiolas, abraçando seu novo lar amoroso, onde são capazes de ver a luz natural do dia.

Embora os ursos tenham sido resgatados do ambiente terrível no porão, os dois ainda enfrentam um longo caminho para a recuperação, pois sofrem de doenças físicas e cicatrizes psicológicas.

Xuan e Mo foram encontrados em gaiolas sujas e enferrujadas, disse a instituição de caridade, acrescentando que ficaram “sem palavras” depois de descobrir que os ursos não tinham acesso ao ar fresco e luz natural no porão sem janelas.

A instituição descobriu que os dois ursos estavam sofrendo de doenças da vesícula biliar por terem sido esfaqueados repetidamente no órgão com sondas projetadas para extrair sua bile.

O santuário de ursos, que foi construído pela Four Paws, é o lar de 40 ursos negros asiáticos, todos eles não são apenas vítimas de cultivo cruel de bile antes de seu resgate, mas também do tráfico de animais selvagens.

Xuan e Mo foram tristemente mantidos em gaiolas separadas durante seus anos vivendo no porão, então eles serão monitorados no santuário nos próximos meses para ver se eles podem ser socializados com outros ursos.

Katharina Braun, assessora de imprensa da Four Paws, disse: “Com base em nossa experiência com outros ursos que resgatamos, isso geralmente funciona bem, mas é claro que depende da personalidade individual dos ursos. Se os animais são socializados, isso sempre acontece nas circunstâncias mais seguras possíveis”, disse. Ela acrescentou que ambos os ursos ainda permanecem ‘estressados’ após a mudança e estão se adaptando para ver a luz natural.

Braun disse: “Eles são muito reativos a qualquer ruído e outros estímulos, embora sejam mantidos em uma área tranquila do santuário – levará algum tempo para se acostumarem com o novo ambiente”. A organização dos direitos dos animais disse que Xuan está acima do peso, perdeu vários dentes, está lutando contra graves anormalidades comportamentais e tem pancreatite e gastrite, enquanto toma medicamentos para diminuir o medo.

Four Paws acrescentou que Xuan tem muitas ‘cicatrizes psicológicas’ porque ele ainda não entendeu que seus ‘anos de trauma’ ficaram para trás após seu resgate. Xuan e Mo estão morando em uma área de quarentena no santuário enquanto recebem cuidados médicos intensivos, para prevenir qualquer potencial transferência de doença entre eles e os outros ursos que vivem no santuário.

Braun disse que Mo está se adaptando muito bem à sua nova vida no Santuário de Ursos de Ninh Binh, enquanto Xuan ainda mostra algumas anormalidades comportamentais e seu foco principal é dar a ele tempo para se recuperar.

Os ex-guardiões dos ursos, que não foram identificados, não serão processados ​​por que manter ursos ainda é legal no Vietnã, de acordo com a Four Paws.

A instituição de caridade só conseguiu resgatar os ursos de suas prisões no porão escuro porque sua bile estava sendo colhida para ser usada na medicina tradicional, uma prática que foi proibida.

Ursos-negros-asiáticos estão listados como ameaçados na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), mas a Four Paws disse que 372 ursos no Vietnã ainda estão ‘sofrendo em condições cruéis em fazendas de ursos ou em propriedades privadas’.

A bile de urso é um ingrediente valioso usado na medicina e o fluido é extraído da vesícula biliar e costumava ser coletado por caçadores após uma morte.

Mas na década de 1980, os fazendeiros começaram a extrair bile de ursos vivos, que muitas vezes eram mantidos em minúsculas ‘gaiolas de esmagamento’ ou com coletes de metal semelhantes a uma camisa de força. Os métodos de extração da bile incluem puncionar repetidamente a vesícula biliar com sondas, encaixar cateteres permanentes ou criar um orifício permanente ou ‘fístula’ de onde a bile pode ser drenada. Os procedimentos podem ser extremamente dolorosos se realizados sem anestesia e podem causar sofrimento prolongado ou infecção se os cateteres ou fístulas não forem tratados.

A prática é ilegal no Vietnã desde 1992, mas continua a ser legal na China – onde a bile de urso era até recomendada como cura para a Covid-19 no início da pandemia global. A bile de urso é usada em produtos cosméticos e na medicina tradicional no combate à febre, desintoxicação, inflamação, inchaço e no alívio da dor, devido aos seus efeitos positivos de cura. Mas o ácido ursodeoxicólico (UDCA) encontrado na bile do urso foi substituído por alternativas à base de ervas e sintéticas desde a década de 1950, em vez de fazer os ursos passarem por uma ‘vida de agonia’ antes de morrerem nas fazendas.

Desde 2006, é proibido por lei no Vietnã caçar, capturar, possuir, matar, vender ou anunciar ursos ou produtos para ursos, embora não seja proibido possuir um urso registrado que era de sua propriedade antes de 2005.

Falando sobre o que poderia ser feito para salvar os outros 372 ursos em extinção em cativeiro no Vietnã, Braun disse que o governo deve ser “mais responsável pela eliminação gradual da criação de ursos biliares”. Ela continuou: “Ainda há fazendeiros, especialmente em Hanói, que continua sendo um grande centro de criação de ursos no país, que se recusam veementemente a desistir de seus animais, e só podemos presumir que eles ainda abusam de seus animais e negociam a bile”.

“Isso deve acabar e o governo deve agir e cumprir sua promessa. Estamos colocando pressão sobre eles por meio de nosso trabalho no local no Santuário de Ursos de Ninh Binh, petições e lobby / palestras no local e, claro, estamos apoiando para fornecer um lar apropriado para a espécie para o maior número possível de ursos sofredores. ‘

Acredita-se que haja cerca de 10.000 ursos sendo mantidos em fazendas na China e cerca de 1.000 apanhados em operações ilegais no Vietnã.

Fonte: ANDA