Empresário conhecido como “Maníaco da Ilha do Boi” é preso por manter idosa em cárcere privado, em Colatina

Foto: Hericlis Douglas

Seis anos após ser solto, o colatinense Antúlio Gomes Pinto – que ficou conhecido como “maníaco da Ilha do Boi” – foi preso segunda- feira (30), em Colatina. Segundo a Polícia Civil, ele foi autuado por manter em cárcere privado uma idosa que o ajudava com atividades domésticas. O homem possui um histórico de crimes envolvendo tortura e cárcere privado de mulheres, além de tentativa de assassinato de delegado e juiz, de acordo com condenações na justiça.

Antúlio que morou por muitos anos no bairro Pedro Vitali, em Colatina, atualmente ele e uma mulher de 65 anos viviam em um apartamento na cidade. A polícia recebeu denúncias de que a vítima era mantida em cárcere privado e em péssimas condições de moradia. Segundo informações a idosa não recebia nenhum pagamento e não tinha acesso ao celular para se comunicar com os familiares.

Os dois viviam no sexto andar de um prédio, no centro de Colatina. O apartamento era dos pais de Antúlio, já falecidos. No depoimento, ele negou todas as acusações. O colatinense conhecido como o “maníaco da Ilha do Boi, é dono de uma distribuidora de alimentos no município. De acordo com a polícia, em 2019, ele foi indiciado por constrangimento ilegal porque tentou impedir uma mulher de voltar para casa. Mas na época, foi liberado.

Segundo a delegada responsável pelo caso, quando a polícia chegou à residência encontrou o local em péssimas condições de higiene e de conservação. Havia muito lixo, fezes de animais, entulhos e não haviam alimentos adequados.

Antúlio foi autuado por cárcere privado, violência psicológica e maus-tratos. Antúlio foi encaminhado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Colatina, transportado em uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel (SAMU) por ser cadeirante.

HISTÓRICO DE CRIMES

Antulio Gomes Pinto, que ficou conhecido em 2005 como “maníaco da Ilha do Boi”, em Vitória, por manter esposa e os três filhos em cárcere privado foi preso novamente nesta segunda-feira (30), em Colatina.

Na época, o crime foi descoberto porque a esposa conseguiu fugir da casa onde eles moravam na Ilha do Boi, em Vitória. Ela ficou presa durante 10 anos e na própria casa ela foi agredida e torturada juntamente com os 3 filhos. Graças ao fato da mulher ter conseguido fugir a Polícia Civil conseguiu descobrir vários outros crimes que Antúlio cometeu neste mesmo período.

Antúlio sendo preso em 2005. Foto: A Gazeta

Ele também teria torturado e mantido em cárcere privado outras 5 mulheres. Duas conseguiram fugir. Os corpos das outras três nunca foram encontrados.

Antúlio foi condenado a 101 anos de prisão na época. Na cadeia ele teve um AVC, por isso ele perdeu todos os movimentos e recebeu o direito da prisão domiciliar. Só que mesmo assim, imobilizado em uma cadeira de rodas ele fugiu e em Minas Gerais ele fez outra vítima, uma mulher com quem ele teve também um filho e mantinha os dois em cárcere privado. Mais uma vez em Minas Gerais, Antúlio foi preso.

A pena dele aumentou para 106 anos de prisão, mas na época a justiça mineira concedeu a ele um indulto humanitário, ou seja, ele teve a pena perdoada por causa das condições físicas dele. E além de tudo isso a Polícia Civil descobriu que ele tentou matar no ES o delegado responsável pelas investigações de 2005 e o juiz que o condenou.

Fonte: ESFALA



Postagem Anterior Próxima Postagem