Gabriel Araújo leva prata e conquista primeira medalha do Brasil na Paralimpíada

O nadador Gabriel Araújo conquistou a primeira medalha na Paralimpíada de Tóquio. Araújo foi medalha de prata na final dos 100m costas da classe s2, para atletas com funções limitadas nas mãos, tronco ou pernas. O ouro ficou com o chileno Alberto Albarza e o bronze com o russo Vladimir Danilenko.


Araújo teve uma saída muito forte, abrindo certa vantagem para os competidores. Porém, já na virada da prova, Abarza estava próximo e conseguiu ultrapassá-lo durante a segunda parte da prova. O brasileiro, contudo, conseguiu segurar a vantagem para Danilenko e garantir a prata, com o tempo final de 2:02.47.

Após a conquista da medalha, uma cena legal: o brasileiro foi até a raia ao lado cumprimentar o medalhista de ouro Abarza, com bastante felicidade, e recebeu um abraço em retorno.

Em entrevista para o SporTV após a medalha, o brasileiro dedicou a medalha ao avô, falecido na semana passada, admitiu ter ficado com gostinho de 'quero mais' e prometeu buscar o ouro nas duas provas que ainda disputa nestas Paralimpíadas.

Araújo tem apenas 19 anos e já e considerado uma das apostas do Brasil para a Paralimpíada de Paris. Na semifinal, havia avançado com o quarto tempo (2:09.73), e conseguiu melhorar bastante na final para conquistar a medalha.

Antes dele, o Brasil já havia chegado na final dos 100m costas da classe S1 (atletas com tetraplegia) com José Ronaldo. O brasileiro ficou em quinto lugar, com o tempo de 3:03.18. O ouro ficou com o israelense Iyad Shalabi, prata com Anton Kol da Ucrânia e bronze para o italiano Francesco Bettella.

BRONZE – O Brasil já tem uma medalha de cada cor no primeiro dia da Paralimpíada: após Gabriel Araújo conquistar a prata na classe S2 e Gabriel Bandeira levar o ouro nos 100 metros borboleta na S14, foi a vez de Phelipe Rodrigues conquistar o bronze nos 50 metros livre da classe S10 (para atletas com deficiências físicas ‘menores’, como a perda de uma mão).

Phelipe fez o tempo de 23s50. O australiano Rowan Crothers venceu a prova e levou o ouro, com Maskym Krypak, da Ucrânia, vindo logo atrás com a prata.

Assim como Bandeira e Araújo, Phelipe melhorou o tempo em relação à semifinal, diminuindo sua marca em 24 centésimos de segundo. O brasileiro também havia avançado com o terceiro melhor tempo das eliminatórias, repetindo o desempenho na final

Esta foi a oitava medalha de Phelipe em Paralimpíadas. O brasileiro conquistou duas pratas em Pequim-2008, uma prata em Londres-2012, e duas pratas e dois bronzes na Rio-2016. Em Tóquio, ainda compete nos 100 metros livre.

Na final dos 100 metros borboleta classe S13 (deficientes visuais), o brasileiro Douglas Matera ficou na sétima colocação, com o tempo de 58s53. O ouro foi do bielorrusso Ihar Boki, que foi tricampeão paralímpico da prova.

Fonte: Estadão Conteudo


Postagem Anterior Próxima Postagem