Cientistas recriam face de menino neandertal morto há mais de 40 mil anos


Cientistas da China e da Rússia reconstruíram face de menino neandertal com base em crânio Jilin University

Utilizando um crânio descoberto em uma caverna no sul do Uzbequistão em 1938, arqueólogos chineses e russos reconstruíram o rosto de um menino neandertal que morreu entre 300 mil e 40 mil anos atrás. O feito foi divulgado pela agência de notícias da China Xinhua no último dia 18 de janeiro.

Os arqueólogos da Universidade de Jilin, na cidade chinesa de Changchun, e da Universidade Estadual de Moscou na Rússia, estimam que o menino tenha sido morto aos 8 ou 9 anos de idade. Os restos da criança estavam na caverna Teshik-Tash, na cordilheira Bajsuntau.

O garoto representa a primeira restauração tridimensional digital de um fóssil de crânio de neandertal e é uma das importantes conquistas do primeiro laboratório conjunto em arqueologia estabelecido em julho de 2022 pela Universidade de Jilin e pela Universidade Estadual de Moscou.

“O resultado não apenas mostra vividamente a morfologia facial de humanos pré-históricos na Eurásia, mas também fornece uma nova maneira de estudar e exibir as características morfológicas dos neandertais e suas adaptações ambientais”, conta Zhang Quanchao, chefe da equipe da Universidade de Jilin, à Xinhua.

Com base nos detalhes que descobriram, o grupo de cientistas recriou a imagem do menino usando tecnologia avançada de restauração em 3D. O crânio do garoto foi reconstruído a partir de aproximadamente 150 fragmentos ósseos.

Crânio do menino neandertal descoberto em 1938 na Caverna Teshik-Tash — Foto: Wikimedia Commons

A equipe fez o upload de uma varredura do fóssil e preencheu as peças que faltavam, permitindo sobrepor músculos digitais, a pele e finalizar com as características faciais do menino. A foto resultante mostra que a criança tinha um nariz afundado e ligeiramente levantado, bem como um par de olhos castanhos.

O garoto havia amadurecido fisicamente o suficiente para exibir características distintivas dos neandertais, como rosto grande e área nasal, crânio longo e baixo, mandíbula sem queixo e sobrancelha em amadurecimento.

A descoberta mostra ainda que esses hominídeos se espalharam para o leste na Ásia Central. "Fósseis de neandertais, um parente extinto dos humanos modernos, foram descobertos pela primeira vez no Vale do Neandertal, na Alemanha, e já foram amplamente distribuídos pela Eurásia", disse Quanchao.

Alexandra P. Buzhilova, diretora do Instituto de Pesquisa e Museu de Antropologia da Universidade Estadual de Moscou, informou ao site Global Times que a criança representa o primeiro fóssil de neandertal descoberto na Ásia e o único crânio asiático completo preservado até agora.

De acordo com o site britânico Daily Mail, a caixa craniana, apelidada de Teshik-Tash 1, foi encontrada em um poço raso dentro da caverna, junto com cinco pares de chifres de íbex- siberiano (um tipo de bode) e esqueletos de pássaros. Isso sugere que o menino foi enterrado ritualmente.

Fonte: Galileu


Postagem Anterior Próxima Postagem