Últimas

O que é triagem emocional? Entenda a ferramenta para lidar com o estresse

Especialistas do Kets de Vries Institute ensinam uma ferramenta para avaliar os níveis de estresse no trabalho e ajudar quem está vulnerável


Você sabia que o estresse pode ser bom para sua performance no trabalho? Porém todo mundo também sabe que tudo em excesso faz mal. No Summit de Saúde Mental nas organizações, especialistas em estresse no trabalho do Kets de Vries Institute contam que existe um ponto em que o aumento de estresse começa a ser prejudicial para o trabalho, diminuindo a performance e causando exaustão.

A parte mais difícil é conseguir avaliar qual o nível de estresse que começa a ser tóxico para cada um. Para Claire Finch, diretora no instituto especializado em liderança e bem estar no trabalho, será mais importante do que nunca entender o impacto do estresse em nós mesmos e nas equipes. E começar conversas sobre saúde mental no trabalho.

A especialista explica que deve ser uma missão das empresas e seus líderes focar em três frentes no próximo ano: entender o impacto da crise atual em sua cultura, aumentar a resiliência de seus times e promover saúde mental.

E seus colegas do instituto, a professora Caroline Rook e o médico Thomas Hellwig, ensinaram na palestra uma ferramenta básica que todos podem usar já para fazer a triagem emocional de times ou pessoal.

Atenção: o exemplo dos especialistas envolve ovelhas, então fique com a imagem a seguir em mente.

Nesta escala de ovelhas como você se sente hoje?

A ferramenta chama APGAR e o nome foi inspirado na pediatra que criou um método usado internacionalmente para checar sinais de complicações na saúde de bebês recém-nascidos. “Não é um diagnóstico profundo, mas mostra sinais no bebê para se prestar atenção e investigar. Usamos isso como um modelo para avaliar de forma simples os sinais de estresse”, explica o médico.

A triagem, então, tem três passo: checagem inicial, avaliação mais profunda com indivíduos e ações.

 

1. Checagem inicial

É perguntar para a equipe como estão se sentindo, seus níveis de energia e problemas que enfrentaram recentemente.

 

2. Conversa mais profunda

Aqui entra a ferramenta APGAR. Ao falar com as pessoas, preste atenção para os sinais de estresse em cinco áreas. Elas são: físico, mental, espiritual, emocional e social. Dessa forma, o gestor pode ficar atento a mudanças e sinais nas áreas centrais de saúde.

Aparência (físico) – ganho ou perda de peso, dores, distúrbios no sono e uso de medicamentos

Performance (mental) – a atenção deve estar nos dois pontos da escala, na baixa performance e na alta performance

Crescimento (espiritual) – a pessoa tem uma mentalidade de crescimento e um propósito no dia a dia?

Controle de emoções (emocional) – a pessoa apresenta variações de emoções ou explosões de emoções, como picos de estresse e de raiva? Aqui podem entrar alterações na vida pessoal também

Relacionamentos (social) – Observe as interações da pessoa, tanto em quantidade quanto em qualidade. Assim, já existe um sinal de uma rede de apoio para a pessoa.

lidar com o estresse

Em todos os pontos, as perguntas do gestor não precisar ser diretas. A avaliação pode ser feita naturalmente nas conversar, mas prestando mais atenção para sinais negativos nas áreas. Na administração do estresse, muitas vezes há um ponto fraco que pode ser melhorado.


Com Informações Exame