Últimas

Pesquisadoras capixabas criam observatório obstétrico com apoio da Fapes e da Fundação Gates

O Espírito Santo receberá, em breve, o Observatório Obstétrico Brasileiro com o propósito de manter uma plataforma contendo informações qualificadas e auxiliar os gestores do Estado nas tomadas de decisões que envolvam a saúde materna, fetal e infantil. A iniciativa foi selecionada na chamada internacional Grand Challenges Explorations (GCE), lançada em agosto de 2020, e receberá o total de R$ 686,7 mil, resultado da parceria entre a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), a Fundação Bill & Melinda Gates e o Governo Federal.

Desse valor, serão repassados R$ 137,5 mil pela Fapes, R$ 399,8 mil pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e R$ 149,4 mil vêm da Fundação Gates.

A coordenadora da proposta é a professora Agatha Sacramento Rodrigues, do Departamento de Estatística da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Segundo a pesquisadora, os envolvidos no projeto desenvolverão uma plataforma interativa para monitoramento e análise de dados públicos e para disseminação de informações da área obstétrica de todo Brasil.

“Serão disponibilizadas as análises exploratórias dos dados, com visualização on-line, dinâmica e com filtragens escolhidas pelo usuário, além dos resultados de análises e modelos preditivos”, explica.

A página eletrônica do observatório contará com uma seção destinada à criação de indicadores obstétricos obtidos a partir de bases de dados públicas, assim como às análises de associação entre indicadores socioeconômicos e indicadores obstétricos já existentes e os que serão criados. A equipe envolvida na proposta também planeja a produção do livro “Ciência de Dados Aplicada à Saúde da Gestante, Fetal e Neonatal”, que será disponibilizado gratuitamente para disseminar ainda mais o conhecimento gerado.

Agatha Rodrigues também destaca a intenção de avaliar os impactos das pandemias da gripe A, em 2009, provocada pelo vírus H1N1, e da Covid-19, em 2020, causada pelo novo Coronavírus (SARS-CoV-2), assim como identificar as diferenças entre elas e suas consequências na saúde materna e infantil para que seja possível desenhar políticas públicas para crises futuras.

“Por meio da chamada internacional, incentivamos pesquisadores a proporem projetos inovadores para a resolução de problemas em ciência de dados para melhoria da saúde das mulheres, das mães e das crianças no Brasil. Projetos nestes temas possuem grande relevância social, pois proporcionam dados que permitirão definir políticas públicas relacionadas à saúde materno e infantil, sendo estas muito importantes para melhoria da saúde e por consequência da qualidade de vida das mulheres e das crianças”, declarou a diretora técnico-científica da Fapes, Denise Rocco de Sena.

 

Ciência de Dados para Saúde Materno-Infantil

Foi lançada em agosto de 2020 a chamada internacional “Ciência de dados para melhorar a saúde materno-infantil, saúde da mulher e da criança no Brasil” para financiar propostas inovadores que utilizem análises de bancos de dados e técnicas de machine learning para entender os principais fatores que impactam a saúde materno-infantil, a saúde das mulheres e das crianças no Brasil.

A chamada faz parte do Grand Challenges Explorations (GCE), iniciativa da Fundação Bill & Melinda Gates, que neste edital contou com a parceria do Ministério da Saúde, do CNPq e do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap).

 

Grand Challenges Explorations

Em 2007, a Fundação Gates lançou o Grand Challenges Explorations para apoio a projetos inovadores em todo o mundo. Duas vezes ao ano, são lançadas chamadas públicas para receber propostas de projetos de alto risco e alta recompensa em diversos desafios propostos. No Brasil, uma parceria com o Confap, por meio das fundações estaduais de amparo à pesquisa, proporciona um aporte financeiro adicional.

Entre os 12 projetos selecionados na Chamada “Ciência de dados para melhorar a saúde materno-infantil, saúde da mulher e da criança no Brasil”, três receberão apoio financeiro das fundações estaduais. Além da proposta contemplada no Espírito Santo, projetos selecionados na Bahia e no Rio Grande do Sul também contarão com financiamento das agências estaduais de fomento à pesquisa.



Assessoria de Comunicação da Fapes



Nenhum comentário