Últimas

Família Velloso: Um trabalho hereditário em prol do próximo

Após morte de Lourenço Velloso, vítima da covid-19, o Centro Espírita Senhor do Passos, na Comunidade Velloso em Nova Venécia, já tem nova líder espiritual.

Após morte de Lourenço, sua sobrinha, dona Conceição Velloso, assume a liderança das atividades espirituais do Centro Espírita Senhor dos Passos.

A morte de Lourenço Velloso aos 86 anos, na semana passada, de complicações provocadas pela Covid-19, abriu vaga para a assunção da quarta médium-chefe nos 125 anos de história do Centro Espírita Senhor dos Passos, na Comunidade Velloso, em Nova Venécia. 

Lourenço era o líder espiritual do centro desde a morte da mãe, em 1976, e será sucedido pela sua sobrinha Maria Helena Velloso Poeys, conhecida como “Conceição Velloso”, 72 anos, filha de José, um dos filhos do fundador da obra religiosa. 

Lourenço Velloso morreu na última terça-feira, dia 16, depois de passar 40 dias internado num hospital de Vila Velha. O centro é o maior do Espírito Santo, pelo menos quando se leva em conta sua obra social centenária, que a comunidade chama de “caridade”.

Sucessão
Lourenço, na linha sucessória “sacerdotal”, foi o terceiro médium-chefe da história do centro. Sucedeu a mãe, Alexina, que morreu em 1976, após um acidente de automóvel. Ela era a segunda filha do fundador da obra e estava no seu comando desde 1925, quando o pai morreu.

O Centro Espírita Senhor dos Passos tem uma história singular: foi criado por um quase padre, Francisco Hilário da Silva, com quem tudo começou.

A data de nascimento de Francisco Hilário da Silva é incerta e calculada com base no episódio que resultou na criação da obra espírita. Era natural de Diamantina (MG), mas sua data de nascimento não é registrada em sua certidão de casamento com Maria Mathilde Nazionzeno da Silva Primo, ocorrido em 4 de fevereiro de 1899.

“Ele devia ter uns 20 anos, pois estava há menos de seis meses para se formar padre em Diamantina (MG), quando recebeu uma missão para ir a Bom Jesus do Itabapoana, e dar um susto numa comunidade espírita que crescia na cidade, dando uns tiros para cima para espalhar o pessoal. Eram épocas de muita perseguição aos espíritas. Assim ele fez, mas, logo depois de cumprir a missão, surtou e desapareceu por três dias. Ninguém tinha notícias dele, até que reapareceu na casa de parentes, todo sujo, roupa rasgada e maltrapilho, desorientado”, conta Braz Velloso, o trineto de Francisco Hilário.

Levado para tratamento espiritual no Rio de Janeiro com Bezerra de Menezes, considerado talvez o maior líder da religião no país, então presidente da Federação Espírita Brasileira, este teria identificado a mediunidade de Francisco Hilário e teria lhe dado a missão de criar um centro, onde fosse o líder espiritual.

Bezerra era médico, militar, escritor, jornalista, político, conhecido filantropo e expoente da Doutrina Espírita, conhecido, mesmo antes de aderir à religião, como “o médico dos pobres”. E foi assim que começou o Centro Espírita Senhor dos Passos, que, entretanto, rompeu com a Federação Espírita Brasileira por uma razão muito singela, vinculada às origens de seu fundador.

“Somos o único centro espírita do mundo onde todos os serviços religiosos são católicos. Francisco Hilário era quase padre e tudo o que fez, as rezas, as liturgias, seguiram a tradição católica. E mantivemos isso. Fazemos novenas, cantamos ladainhas, temos sacramentos do batizado e do casamento, terço, rosário, procissão, via sacra na Semana Santa e a devoção a uma santa católica, mas às quartas, quintas e sábados temos as orações com os passes, conforme o Evangelho Segundo o Espiritismo, codificado por Allan Kardec”, explica Braz Velloso.

A Festa dos Velloso
A tradicional festa já chegou a atrair até 13 mil pessoas num só dia. Ela é realizada todo dia 02 de julho a mais de 70 anos. A programação começa às 5 da manhã e vai até às nove da noite. Pelo menos 5 mil pessoas almoçam e tomam café da tarde nesse dia. A comunidade cresceu muito. A descendência de Francisco Hilário é calculada em mais de 600 pessoas até a quinta geração. 

A pandemia de Covid-19 impediu que a festa ocorresse em 2020 e já está decidido que também não haverá festa este ano. Mas, para 2022, se já estiver todo mundo em segurança sanitária, os herdeiros do culto espírita já programam a maior de todas as festas, para celebrar os 125 anos de fundação do Centro Espírita Senhor dos Passos. Possivelmente, marcará oficialmente a “consagração” da nova “sacerdotisa” do culto sincrético, que mistura elementos do catolicismo e do espiritismo, que sucederá a Lourenço Velloso, morto pelo vírus. 

A Escolha da Nova Líder
E como foi escolhida a nova médium-chefe, Maria Helena Velloso Poeys, conhecida como “Conceição Velloso”, 72 anos, filha de José? É Braz, o trineto de Francisco Hilário, quem explica:

“O processo de escolha é natural e ninguém contesta. A pessoa vai se comprometendo com o trabalho, assumindo a responsabilidade. Há dois anos, meu tio Lourenço já havia chamado a tia Conceição e dito para ela que seria sua sucessora. Com a morte dele, apenas se oficializa”.
Dona Filomena continua lá como monumento histórico e representante direta do fundador do culto. Sua filha Madalena, 85 anos, é figura de destaque no centro, cuida das orações. Mãe e filha são remanescentes da grande viagem empreendida em 1956 de Bom Jesus do Itabapoana para Nova Venécia.

Novos tempos
Sede da Fazenda Velloso, onde são realizadas as atividades da Associação 'Comunidade do Velloso'

Nos últimos anos, houve uma grande transformação na Comunidade do Velloso. O centro, que antes era apenas um serviço religioso, tornou-se uma associação de utilidade pública municipal e estadual, uma pessoa jurídica que pode receber recursos públicos de convênios, “mas que nunca recorreu a esses benefícios”, salienta Braz.

O trabalho de organização da comunidade religiosa em entidade civil é atribuído à capacidade de organização e à visão de Braz da Silva Velloso, que parece ter herdado esse senso do pai Agostinho. Foi Braz quem comandou, do ponto de vista administrativo, a comunidade nos últimos 50 anos.

Em 2017, parecendo prever a própria morte, ocorrida em dezembro, Braz Velloso decidiu reunir a associação em março e eleger aqueles que passariam a comandá-la. Como uma espécie de patriarca dos tempos antigos, elegeu: Reginaldo Furtado (presidente), Maria de Cássia Velloso (vice), Mateus Oliveira (secretário), José Oliveira (2º secretário) e Braz Velloso Pianissoli (tesoureiro). No conselho fiscal, uma mescla de juventude com experiência: Ronaldo Furtado, irmão de Reginaldo; Magno Velloso Poeiz, filho do Ivan e Conceição; e Carlos André Oliveira, filho do Francisco Oliveira. Em dezembro de 2020, a assembleia renovou o mandato da diretoria.

É uma espécie de dinastia construída, principalmente, a partir do casamento de Alexina e Agostinho Velloso, que geraram 14 filhos, sendo que 13 viveram para construir essa história e dos quais somente resta um, todos netos de Francisco Hilário da Silva, fundador do Senhor dos Passos: Daldi da Silva Velloso, o Dadinho, Maria, José, Porcina, Francisco, João, Jorge, Braz, Lourenço, Agostinho (único vivo, que fará 86 anos no dia 15 de abril), Rafael, Gabriel e Tereza (que hoje teria 75 anos).

E assim a tradição vai ser passada, de geração a geração. Os mais jovens que estão assumindo os ofícios estão abaixo dos 30 anos, como Braz e seu primo Mateus, que está sendo preparado para ser o sucessor de Conceição na chefia da mediunidade do Senhor dos Passos. E a Comunidade Velloso, cortada pela BR 342, a 35 quilômetros de Nova Venécia e a 50 de Ecoporanga, na Região Noroeste do Estado, só faz crescer e prosperar, com base numa administração própria e na firmeza da fé construída pela tradição. 

(Com informações de A Gazeta)