Últimas

Irmãs fazendeiras fazem sucesso na internet com o dia a dia na roça, em Colatina


A rotina de uma pequena propriedade rural em Colatina, no Distrito de Baunilha, está fazendo sucesso na internet, graças à iniciativa de duas irmãs, empreendedoras, as fazendeiras Valeska e Natieli Sperandio, de 30 e 34 anos respectivamente.

Na propriedade do Córrego Olho D’água, as “Irmãs Amazonas”, como são conhecidas as jovens, estão postando o exaustivo trabalho diário da produção de leite, a principal atividade da fazenda, para os seus mais de 12 mil seguidores nas redes sociais.

“Nós entramos no Instagram por sermos jovens, mulheres e também para mostrar que o trabalho do povo do interior pode sim ser reconhecido, como aconteceu com a gente”, explica Natileli.

A história das Irmãs Amazonas, entretanto, nem sempre foi marcada por glamour e vitórias. Desde que assumiram a administração da fazenda depois da morte do pai, há 16 anos, elas venceram muitos desafios, o maior deles, o preconceito. Mulheres comandando as atividades no campo? Ironiza muita gente em torno delas.

“No início eles falavam que a gente não ia conseguir tocar a fazenda, que íamos vender tudo e ir embora para a cidade. Mas não foi nada disso que aconteceu. Hoje temos poder de negociação e conquistamos respeito”, destacou Valeska.

E haja disposição para o trabalho. Para dar conta da produção diária de 330 litros de leite, as irmãs acordam ainda no escuro, às 4h30 da manhã, e o trabalho somente termina com a ordenha das vacas no fim do dia.


Antenadas nas questões jurídicas, elas registraram a marca Irmã Amazonas e criaram camisas e bonés personalizados, acessórios úteis e muitos usados por produtores rurais. Uma fonte de renda extra para o negócio das Irmãs Amazonas que criaram até um slogan “firmes na luta, firmes no gole”. Gole? Sim, cerveja/cachacinha do fim de semana para aliviar o trabalho pesado na roça.

ES Fala