Últimas

TORCIDA NO ESTÁDIO | Flamengo abre venda de ingressos para oitavas de final da Libertadores


Time carioca tenta liberação de público para mandar próximos jogos no Maracanã


O Flamengo abriu às 15h deste sábado (17) a venda de ingressos para as oitavas de final da Taça Libertadores da América contra o Defensa y Justicia, da Argentina. A partida na próxima quarta-feira (21), no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, marca a volta da comercialização de ingressos para as torcidas no futebol brasileiro após o início da pandemia de Covid-19.

Poderão adquirir as entradas torcedores vacinados com as duas doses ou dose única contra a Covid-19, com a obrigatoriedade de apresentar o comprovante de imunização, ou pessoas que apresentarem exame RT-PCR negativo realizado a partir das 21h segunda-feira (19). Esses dois grupos deverão ficar separados no estádio Mané Garrincha.

A venda vai ocorrer pela internet, com valores entre R$ 140 e R$ 500, com prioridade e desconto para sócios-torcedores.

O Flamengo decidiu levar o jogo para Brasília enquanto tenta a autorização para liberação de público no Rio de Janeiro. O vice-presidente do alvinegro, Rodrigo Dunshee, informou que o clube prepara mudanças no protocolo de segurança contra Covid-19, exigidas pela prefeitura, para que a presença de torcedores seja permitida.

O time apresentou inicialmente o mesmo protocolo utilizado pela Conmebol para a final da Copa América entre Brasil e Argentina, no último sábado (10), com o uso de 10% da capacidade do Maracanã. Segundo a prefeitura, a partida teve aglomeração na troca de ingressos, falta de distanciamento entre as pessoas nas cadeiras e problemas na testagem. As falhas renderam uma multa de R$ 54 mil à Confederação Brasileira de Futebol.

A Prefeitura do Rio de Janeiro divulgou na manhã deste sábado que ainda avalia o pedido do clube e que, até o momento, não há previsão de público nos estádios da cidade. 

A volta dos torcedores em jogos, com a comercialização de ingressos, preocupa o pesquisador da Fiocruz Diego Xavier. Para ele, a liberação não condiz com o momento atual de pandemia. “Você fazer um jogo de futebol aqui no Brasil e aceitar que pessoas entrem, mesmo não estando vacinadas, é um risco enorme. Isso não é nem um pouco razoável. Nessa situação, podemos criar novas variantes. E o pior, uma variante que possa escapar das vacinas existentes. Estamos arriscando todo o avanço que tivemos até agora”, criticou.

(Com informações da CNN Brasil)