Últimas

Natal em família? Pessoas "devem fazer cálculo do risco", diz cientista

Governo britânico prometeu aliviar medidas para facilitar reuniões familiares, mas especialista apela à moderação no número de agregados familiares na mesma casa


Um cientista britânico aconselhou esta segunda-feira (23) as pessoas a fazerem "o seu próprio cálculo do risco" ao decidir se fazem ou não ajuntamentos em residências de familiares durante o período de Natal.

O professor Neil Ferguson, ex-membro do comitê de aconselhamento científico para emergências (Sage), afirmou, em entrevista à BBC Radio 5 Live, que "a opção mais segura" seria permitir na mesma casa moradores de apenas até três lares diferentes.

A adoção deste sistema, indicou, permitiria "algum decréscimo no risco" de transmissão, causando talvez entre 20 a 25% de aumento de novos casos, um impacto muito menor do que se as pessoas optarem por se encontrar sem restrições algumas, onde "Todos podem encontrar outos".

Ainda assim, o cientista apelou às pessoas para que calculem o risco das suas situações específicas - se, por exemplo, vão a casa de alguém onde está uma pessoa mais velha ou mais vulnerável, optando antes por não o fazer.

Recorde-se que, este domingo, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, indicou que vai aliviar as medidas restritivas de combate à pandemia no Natal para facilitar as reuniões familiares. Trata-se de um esforço para que as pessoas possam "ver os seus entes queridos no Natal", mas deixando claro que "esta não será uma época festiva normal".


Com Informações Notícias ao Minuto



Nenhum comentário