Últimas

Projeto Homem que é Homem da PCES é um dos finalistas do prêmio Inoves

 


O projeto Homem que é Homem da Polícia Civil (PCES) é um dos finalistas do Prêmio Inovação na Gestão Pública do Estado do Espírito Santo (Prêmio Inoves), do Ciclo 2020. O projeto da PCES concorre na categoria Voto Popular, Projetos de Resultados do Poder Executivo Estadual. A votação teve início nessa quarta-feira (02) e segue até o dia 18 de dezembro no site https://inoves.es.gov.br/votopopular.

De acordo com a Secretaria de Gestão e Recursos Humanos (Seger), o Prêmio Inoves tem o objetivo de estimular o desenvolvimento de uma cultura de inovação na Administração Pública por meio do reconhecimento, sensibilização, orientação técnica, e investimento em servidores. O Prêmio tem a bonificação de até 30 mil reais para o desenvolvimento das dez iniciativas vencedoras dos Executivos Estadual e Municipais.

A delegada chefe da Divisão Especializada de Atendimento à Mulher,  Cláudia Dematté,  destacou que toda a equipe da divisão está muito orgulhosa com a classificação do Projeto Homem que é Homem. “Estamos entre os finalistas no Prêmio Inoves e, em duas categorias: Projeto de Resultados e Votação Popular. Esse é um projeto de muito orgulho para a nossa divisão, que envolve a dedicação, competência e o comprometimento de toda uma equipe que acredita na transformação social resultante do trabalho desenvolvido no projeto”, disse a chefe da divisão.

A chefe da divisão apontou que uma das grandes relevâncias do projeto é o diálogo com a sociedade e com os homens. “As questões que envolvem relacionamentos baseados na violência, pois se trata de uma questão de necessidade social, uma vez que comportamentos machistas, sexistas e misóginos ainda integram as concepções de masculinidade. Precisamos trabalhar na desconstrução desses valores, sendo o projeto Homem que é Homem um mecanismo de extrema relevância para tanto, e um diferencial na PCES, pois é a Polícia trabalhando não só com a repressão, também com a prevenção, e em conjunto”, afirmou.

A coordenadora do projeto Homem que é Homem, delegada Natália Tenório, conta com orgulho que a PCES, no que se refere ao enfrentamento à violência contra a mulher, tem feito muito mais que reprimir.

"Construímos um Projeto incrível em 2015 - Projeto Homem que é Homem - com o objetivo de conduzir homens autores de violência à reflexão sobre a inadmissão de velhas práticas machistas na resolução dos seus conflitos domésticos, ampliando, assim, os seus horizontes sobre novas possibilidades de lidarem com os seus conflitos de forma pacífica. Para tanto, numa dinâmica de 'grupo reflexivo', promovemos discussões sobre vários temas que perpassam a violência de gênero", explicou.

A delegada ressaltou que toda a equipe que envolve este projeto está convicta que tem dado muito certo. "Além de termos uma reincidência muito baixa, estamos seguros que estes homens, inquestionavelmente, levam para os ambientes em que socializam novos valores - pautados no respeito e na equidade de gênero", afirmou Natália Tenório.

Ainda de acordo com a coordenadora do projeto, analisando os resultados é visível que o projeto é transformador, e para alguns homens pode ser considerado o início de uma nova jornada. "Tudo pensado com base no respeito, paz social, compreensão, criando possibilidades para que esses homens abram mão da violência, e utilizem outros recursos para dialogar em família e, sobretudo, em seus relacionamentos afetivos. Demonstrando que ser um homem que respeita a mulher e entende equidade de gênero, não tem nada a ver com ser menos homem, indicando que há outras formas de exercer a masculinidade", pontuou a delegada.


Projeto Homem que é Homem

Lançado em 2015 e idealizado por psicólogas e assistentes sociais da Polícia Civil do Espírito Santo (PCES), o Projeto Homem que é Homem foi desenvolvido para contribuir para a redução do índice de reincidência de violência contra a mulher no Estado. A partir do ano de 2019, o Projeto foi inserido na proposta de trabalho do Programa Estado Presente em Defesa da Vida, que articula diferentes políticas públicas e envolve Secretarias e órgãos da administração estadual com o objetivo de reduzir os índices de violência e criminalidade.

No Projeto Homem que é Homem, homens denunciados nas Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deam's) são convocados a participar de um ciclo de palestras com temas voltados para a desconstrução de ideias sexistas e machistas, a fim de estimular formas pacíficas de lidar com os conflitos.

As reuniões acontecem uma vez por semana e totalizam oito encontros, organizados por uma equipe psicossocial da PCES. O primeiro acontece por meio de intimação judicial. Depois, a permanência e frequência aos demais é voluntária.

“Nosso principal propósito é o de refletir sobre a possível origem desse sentimento agressivo e induzir ao questionamento de suas atitudes violentas. Para isso, introduzimos nossas reuniões com disparadores, sejam imagens, propagandas ou letras de músicas que levem à discussão de temas como o machismo, masculinidade tóxica e a diferença de gênero”, explicou a psicóloga do projeto, Ana Paula Patrocínio

Os temas abordados contemplam relações de gênero, formas pacíficas de lidar com os conflitos, identificação e reflexão a respeito das violências nas relações, bem como aspectos relativos à relação familiar, propondo pensar o espaço subjetivo ocupado na família como um lugar democrático de convivência.

“Temos aplicado todos os esforços necessários para o combate à violência doméstica e familiar contra mulher no Estado do Espírito Santo, seja por meio da repressão, com investigações, prisões em flagrante, e realização das Operações Maria's. Por outro lado, trabalhamos com a prevenção, sendo o projeto Homem que é Homem um mecanismo de extrema relevância”, comentou a chefe da Divisão Especializada de Atendimento à Mulher, delegada Claudia Dematte.


Governo ES