Últimas

CURRÍCULO: 5 erros que mais irritam os recrutadores


Existem cinco erros básicos que são extremamente comuns e que prejudicam muitas pessoas que procuram recolocação. Eles são simples, muito fáceis de se evitar e podem fazer toda a diferença na hora de demonstrar seu interesse por uma vaga de trabalho.

1. Não colocar a vaga desejada no assunto do e-mail.
Não demonstrar seu interesse logo no primeiro contato é perder oportunidades! Pense dessa forma: é como ir a um restaurante, informar o garçom que você está com fome, mas não indicar o que deseja comer. O mesmo ocorre quando o assunto do e-mail não esclarece o seu objetivo.

Ter um assunto objetivo é muito importante. Se a pessoa que receber não puder ver na hora, ela sabe do que se trata e quando surgir a oportunidade, ela saberá como encontrar.

2. Não incluir o campo “Objetivo profissional”.
A função pretendida é considerada uma informação essencial para a triagem de currículos na visão de 71,2% dos Recrutadores entrevistados. Afinal, esse é o primeiro indicador que o recrutador levará em conta para decidir se deve continuar lendo o CV ou não.

Sem indicar seu objetivo profissional, o candidato dá a entender que está disposto a qualquer aventura só para ter um salário no fim do mês. “É importante fazer um currículo adaptado para cada vaga pretendida, e não um único documento que sirva para qualquer oportunidade”, orienta Carvalho.

É importante ser direto, específico e sucinto. Não vale se apresentar, por exemplo, como possível “assistente/analista/supervisor/coordenador financeiro”, na ilusão de abrir mais chances de se encaixar nas necessidades do contratante. Se você pretende atuar como coordenador financeiro no seu próximo emprego, escreva apenas isso no objetivo profissional.

3. Esquecer de anexar o currículo.
Atire a primeira pedra quem nunca esqueceu de anexar algo num e-mail.

Parece ridículo pensar que alguém esqueceria de anexar o próprio currículo num e-mail para uma vaga de emprego, mas… acontece!

Imagine depois de todo o trabalho de fazer um bom networking, conseguir um contato dentro da empresa e ter desenvolvido um e-mail de apresentação excelente, você se esquece de enviar o CV.

Há ainda outros dois erros quase imperdoáveis nesse sentido. O primeiro enviar um documento do word. O doc pode abrir com as configurações alteradas e deixa você sujeito a usarem suas informações, mexendo no arquivo. Ou ainda pior, enviar um link de acesso para o Drive, que não é uma atitude muito profissional. Envie sempre seu currículo em pdf.

4. Erros de português no currículo (ou no e-mail).
Em uma pesquisa feita pela Robert Half, 63% dos recrutadores entrevistados disseram que um ou dois erros são suficientes para eliminar um candidato da seleção.

A dica aqui é revisar, revisar e revisar. Depois disso, peça para pessoas próximas que também façam uma revisão. A primeira impressão é a que fica e você não pode correr o risco de ser eliminado antes mesmo de ser considerado para a vaga.

5. Escrever tudo em texto corrido, ou tudo em tópicos.
A diagramação e até as fontes que você escolhe para o seu CV têm um impacto surpreendente sobre sua atratividade. O princípio geral que deve reger a composição do documento é a simplicidade: cores sóbrias, fontes clássicas e um espaçamento confortável entre linhas e parágrafos.

Também é importante criar diferenciação visual entre cada tipo de informação. Além de usar o negrito para títulos, por exemplo, é interessante intercalar textos corridos e listas de tópicos. A preferência de 58,5% dos entrevistados pela Qualitá-RH é por resumos na forma de um parágrafo. Já as experiências profissionais devem vir como uma lista de itens, segundo 81,2%.

De acordo com Carvalho, formatar seu histórico profissional em forma de tópicos ajuda a tornar a leitura mais dinâmica. No entanto, é melhor escrever o resumo na forma de um pequeno texto. “Se você fizer tudo no formato de tópicos, o layout fica muito cansativo e repetitivo”, explica ele.

Se você já se certificou de que não está cometendo nenhum desses erros, e ainda assim não é chamado para entrevistas, talvez você precisa repensar sua estratégia como um todo.


A Gazeta 

Nenhum comentário