Últimas

Diferença de preços pode chegar a 190% em supermercados, aponta estudo


Segundo a pesquisa, os itens que apresentaram a diferença de preço mais alta foram a mortadela e o molho de tomate. Já o atum apresentou a menor variação


Uma pesquisa de preços realizada pelo Procon de Vitória constatou que um mesmo produto pode ter uma variação de até 190,26% em seu preço, dependendo do estabelecimento em que o consumidor o procura. Foi o caso da mortadela bologna fatiada (não defumada), que, segundo o levantamento, pode ser encontrada custando entre R$ 10,99 e R$ 31,90, em diferentes supermercados da capital.

Outro item que apresentou uma variação bem alta no preço foi o molho de tomate, cuja variação chegou a 181,82%. O produto pode ser encontrado custando entre R$ 0,99 e R$ 2,79.

Já a menor diferença de preços foi de 4,69%, registrada no atum enlatado, cujo valor variou de R$ 7,25 a R$ 7,59.

A pesquisa, feita pelo Núcleo de Pesquisa e Dados do órgão, foi realizada em nove estabelecimentos comerciais de Vitória e conta com a apresentação de 63 itens. O levantamento de preços foi feito entre os dias 27 e 28 de maio.

A gerente do Procon de Vitória, Denize Izaita, conta que foram feitas duas análises comparativas: a primeira considerando os valores de maio e junho deste ano, e outra comparando os meses de junho em 2020 e 2021.

Na primeira, a maior variação está no quilo da banana da terra, com um aumento de 59,84%: de R$ 2,49 para R$ 3,98. Já o quilo da mortadela registrou queda de 38,60%: de R$ 17,99 para R$ 10,99.

Na análise entre junho/2020 e junho/2021, a maior variação foi registrada na esponja de cozinha multiuso (3 unidades), que custava R$ 1,29 e passou para R$ 2,99, um aumento de 131,78%. A maior redução foi no sabão em pó (quilo), com 54%, passando de R$ 12,61 para R$ 5,80.

O procon também analisou o valor dos itens que compõem a cesta básica. Tomando o salário mínimo como base (R$ 1.100,00), a cesta de itens de primeira necessidade compromete 47,55% dessa renda no mês de junho/2021. Na pesquisa de maio, essa mesma cesta correspondia a 46,13% do salário.

Denise reforça que a pesquisa é a melhor solução para encontrar bons preços nos supermercados. "O consumidor deve fazer uma comparação entre os preços praticados por diferentes estabelecimentos e, também, considerar a relação qualidade, peso e preço do item a ser adquirido. Devem ser avaliados os seguintes fatores: procedência, validade e acondicionamento dos produtos antes de realizar a compra", ressaltou.

Fonte: Folha Vitória