Últimas

PMB – Partido da Mulher Brasileira pode receber filiação de Bolsonaro e aliados

Para acomodar os novos filiados, o PMB, conhecido como Partido das Mulheres poderá mudar de nome.

Os dias de sem partido do presidente Jair Bolsonaro podem estar contados. Especulações em torno do assunto, dão conta de que o presidente deve se filar ao Partido da Mulher Brasileira (PMB). O presidente estaria interessado na filiação para concorrer na corrida presidencial de 2022, quando Bolsonaro tentará a reeleição. As negociações sugerem que o Partido da Mulher irá mudar de nome, de identidade visual e de número para receber o presidente e seus aliados. O partido será a sigla oficial de Bolsonaro e sua base política.

Tendo obtido seu registro em 29 de setembro de 2015, o partido tem baixa representatividade na política Brasileira. A sigla não conta atualmente com nenhum representante na Câmara Federal nem no Senado e elegeu apenas três deputados estaduais em 2018. Nas eleições de 2020 conseguiu eleger um prefeito e 46 vereadores.

Ao sair do PSL, partido pelo qual foi eleito presidente do Brasil, Bolsonaro tenta viabilizar a criação de um novo partido o ‘Aliança pelo Brasil’, porém esse projeto de criação não decolou. Das 492 mil assinaturas que a legenda organizada em prol do presidente precisava para ter registro reconhecido pelo TSE, apenas 57 mil foram validadas. Caminhando para o ano eleitoral e com menos de 12% das assinaturas necessárias, Bolsonaro já deu sinais de que desistiu do ‘Aliança pelo Brasil e mira o PMB. 

É claro que a possibilidade de tal filiação causa estranheza, uma vez que, reiteradamente, em seus discursos o presidente já demonstrou posicionamentos que são verdadeiros ataques às mulheres. 

Aproveitando o 08 de março, dia mundial em que são discutidas as lutas e direitos das mulheres, e considerando o objetivo de luta do PMB que cita eixos em prol da valorização social, moral, profissional e política da mulher, soa mesmo contraditório correlacionar os ideais do partido a muitas ideias do presidente Jair Bolsonaro.

Caso a filiação se concretize, o que será que vai acontecer? Bolsonaro se adequará ao programa do partido, ou o partido terá que se adequar aos posicionamentos de Bolsonaro? 


História do PMB

Após anos de militância em causas sociais por todo o Brasil, Suêd Haidar, inicia uma jornada rumo a realização de um sonho: a criação de um partido político, que garantisse uma maior representação das mulheres no congresso nacional, e em todos os setores da sociedade. E em 2008, surge o projeto político Partido da Mulher Brasileira. Nesse primeiro momento formado por grupos de mulheres, oriundas de todos os cantos do país, o partido em formação, se dedicou ao debate aberto, a se aprofundar nas causas sociais e recolheu mais de 500 mil assinaturas de brasileiras e brasileiros, quantitativo que possibilitou o reconhecimento e registro do Partido no Tribunal Superior Eleitoral.  O PMB, é denominado como um partido de centro.