Últimas

'Não tem cabimento fazer uma fraude de 1.000%', diz Bolsonaro

 

O presidente Jair Bolsonaro rebateu, nesta segunda-feira (28), as acusações de corrupção por causa do contrato de compra da vacina indiana Covaxin, alvo do Ministério Público Federal e da CPI da Covid no Senado. Para o presidente, houve apenas um erro administrativo no contrato, corrigido nos dias seguintes à visita do deputado Luís Miranda (DEM-DF), que o alertou sobre supostas irregularidades no trâmite da empresa com o Ministério da Saúde.

"Aquela história de 1.000% de superfaturado, quem entende um pouquinho não vai querer fazer uma fraude em 1000%, não tem cabimento, qualquer idiota iria perceber. Então, cada frasco – são 3 mil frascos – são 5 ml. E a dose para cada vacina é de 0,5 ml, então cada frasco são 10 vacinas. Então são 3 milhões. E foi corrigido nos dias seguintes ao que o cara [deputado Luís Miranda] esteve aqui, porque aqui vem tudo quanto é tipo de gente", explicou Bolsonaro.

Bolsonaro disse desconhecer tudo o que acontece nos ministérios e afirmou que confia no trabalho dos nomeados para comandar as pastas.

"Aqui, vem todo tipo de gente, pessoal. Não posso dizer: 'Você é deputado, deixe eu ver a sua ficha'. Eu ia receber pouca gente. Eu recebo todo mundo. E daí, ele que apresentou, eu nem sabia como estava a tratativa da Covaxin porque são 22 ministérios. Só o ministério do Marinho [Desenvolvimento Regional] tem mais de 20 mil obras. Do Tarcísio [Infraestrutura], tem dezenas, centenas, não tem como eu saber. O da Damares [Mulher, Família e Direitos Humanos], o da Justiça, o da Educação... então, não tenho como saber o que acontece nos ministérios. Eu vou na confiança em cima de ministro. Nada fizemos de errado", garantiu aos apoiadores.

O presidente reafirmou que seus opositores inventaram a "corrupção virtual". "Não recebemos uma dose, não pagamos um centavo. A emenda [que viabilizou a importação] da Covaxin veio deles, do Randolfe [vice-presidente da CPI] como relator, do irmão do Renan [deputado Renildo Calheiro, PCdoB-PE] se do próprio Omar Aziz [presidente da comissão]."

Para o presidente, seu governo é perseguido. "Eles querem o Brasil como era antigamente e viver na impunidade. Então estão fazendo coisa para eles bastante certa. Estão de parabéns com os objetivos deles", disse.

Na sequência, voltou a defender a adoção do voto impresso nas eleições de 2022. "Não mudamos o Brasil se não tivermos um sistema eletrônico confiável. Tiraram o cara [ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva] da cadeia, tornaram elegível para ser presidente na fraude. E a fraude é esse sistema de votação que está aí. Podem ver as articulações para que não haja o voto impresso", disse.

Ricardo Barros

O deputado federal e líder do governo Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), se defendeu, ontem, nas redes sociais após ser citado na CPI da Covid como o deputado que o próprio presidente Jair Bolsonaro apontou como responsável por suposto esquema na compra irregular da vacina indiana Covaxin.

“Não participei de nenhuma negociação em relação a compra das vacinas Covaxin. ‘Não sou esse parlamentar citado’ (sic). A investigação provará isso”, escreveu em suas redes sociais.

A citação a ele veio do depoimento desta sexta-feira (25) na CPI, do também deputado federal Luis Miranda (DEM-DF). Segundo o parlamentar, ele teria recebido as informações de seu irmão: o servidor do Ministério da Saúde Ricardo Miranda, com quem teria ido a reunião presencial com Bolsonaro para denunciar o caso.

No encontro, segundo o deputado Miranda, o presidente teria reagido a denúncia apontando o deputado Ricardo Barros como responsável pela compra irregular de 300 mil doses da Covaxin. Ainda de acordo com o deputado, o presidente então teria prometido pedir investigação à Polícia Federal do caso.


R7